sexta-feira, dezembro 15, 2017

terça-feira, dezembro 12, 2017

BRANCURA LISA DO SILÊNCIO

O salgueiro, Lydia, entrega-se sem enfado
À aragem fria que vem do lago. E minhas mãos
Nas tuas são enredo que levo aos lábios
E bebo perfumadas num suspiro
De abandono.

Mergulhamos descuidados na superfície
Do tempo. E na brancura lisa do silêncio.
Nem uma ave, nem um pio magoado.
Apenas o arfar de teu peito
E a impudicícia dos seios
A arrolhar desejos
No aconchego
Macio.

E o horizonte é uma manta de retalhos
A colorir o céu de azul felino
E nevoeiro.

E meu olhar baço. Abracemo-nos, Lydia
Que este arrepio é ponto sem retorno
Expectante neste murmúrio
Da brisa sobre o rosto
Como voo planado
Do cisne branco
Sobre o lago.

Ou o grito-surdo
Dos passos sobre o gelo.

Manuel Veiga


Nota: Lydia é uma criação literária de Ricardo Reis

domingo, dezembro 10, 2017

FRAGMENTOS LII



Hic opus labor est diziam os latinos, ensinando que para segurar a porca pelo rabo se torna necessário saber torcer o dito, caso contrário lá se vai porca e rabo (nunca percebi por que não o porco) e o esforço e se fica a ver os navios, o que, no caso do Uíge, perder o navio era também perder a maré, ou melhor dizendo, a maré e o barco, pois, como é sabido, são as marés que decidem o destino dos barcos e não o contrário e, no caso da Companhia de Cavalaria, para zarpar rumo a Lisboa, é fundamental que o paquete possa recolher âncoras durante escassas horas de maré alta, atascado o navio, que sempre fica preso na lama, ao largo do porto, durante a maré vazante e assim maré perdida que fosse, seria uma carga de trabalhos suplementar, pois quem espera desespera e ninguém está à espera que um morto venha atrapalhar o caminho, pois para atrapalhar o “rumo à peluda”, bem bastavam a pressão das amanuenses diligências, que era indispensável satisfazer para tudo bater certo no ajuste final dos balanços e no deve e haver da guerra; porém, a verdade é que, a acrescer às dificuldades e urgências por todos conhecidos e esperadas, vinha agora, como golpe mal urdido, o Valentim, com sua caprichosa morte, a perturbar ainda mais o fluxo das rotinas e obediências, cujo cumprimento é condição sine qua non de um embarque em beleza.

Não havia, porém, forma de o evitar. Era certo que o Valentim perdera a vida, num acidente de viação, disso todos estavam cientes e faziam fé, pois assim o dizia no normal entendimento das coisas e os factos, em sua aparência, inequívocos, tal como constam do auto de notícia, devidamente assinado pelo Furriel Anjos, da Companhia de Lanceiros, em funções de Polícia Militar, que em ronda de rotina pela cidade de Bissau e bairros periféricos, deparou com a viatura, com a parte da frente afundada numa cova da estrada e o corpo do Alferes estendido na berma, a sagrar pela cabeça e os miolos fora, sendo, pela experiência das coisas vividas, sabido que a força da inércia projecta os corpos à distância e que o tronco de um secular embondeiro tem uma consistência mais rija que o crânio de um homem, daí os miolos e o sangue e cabeça fendida, como causa mortis indeclinável do Alferes Valentim, amigo de todas as horas, as boas e as más, do Alferes, herói a contragosto desta narrativa, que se deseja literária, mas que Maria Adelaide, licenciada em Línguas e Literatura Modernas teima em dizer, sabiamente, aliás, não ter ponta por onde se pegue.

E tudo isto fora visto e lavrado auto e atestado pelos dois soldados que incorporavam a patrulha e assim o fizeram cientes, pois assim o Furriel o dissera e aos soldados nada mais competia que obedecerem, tudo, portanto, a bater certo e o corpo do Valentim, ainda quente, apto a seguir para a morgue, a tempo do respectivo embalsamento, sem atrasos, nem demoras, de forma a poder embarcar, dentro de um caixão de chumbo, com a Companhia de Cavalaria e o capitão Mascarenhas poder afirmar que regressava com a sua Companhia, não intacta, mas completa.

Assim devera ser, mas o homem é ele e as suas circunstâncias, razões que se colam à pele e que até, na hora da morte, podem ser nefastas, assim o compreendeu o Alferes, herói a contragosto desta narrativa que, reagindo à profunda prostração em que a morte do amigo o lançara, observou, calando sua angústia e a sua dor e, acima delas, assumindo o ónus da sua condição militar e seus deveres como oficial Adjunto do Comandante da Companhia de Cavalaria, se sentiu compelido a dizer, num fôlego, perante o capitão Ornellas e o capitão Mascarenhas, ambos perplexos, que sendo embora ponto assente e atestado em auto de notícia, a fazer fé em juízo e fora dele, até prova em contrário, que Valentim falecera em acidente de viação, num bairro periférico de Bissau, havia, no entanto, um pormenor, que convinha acertar, sob pena de o edifício construído poder ruir, ou seja, não se poderiam escamotear as circunstâncias do acidente, designadamente, deveria constar, sob pena de grave incúria, o que fazia o Valentim, naquele local e naquela hora, a conduzir uma viatura militar, bem sabendo todos os presentes que não havia ordem de serviço, ou razão militar que justificassem e, assim sendo, salvo melhor opinião, o auto de notícia deveria esclarecer a razão de tal insólito acaso, pois que natural seria, que lidos os autos, em instâncias superiores, alguém pudesse interrogar-se e quisesse saber.

O capitão Ornellas escutava algo curioso e, gradualmente, o seu semblante ia ganhando, cada vez mais, uma expressão de compreensão e concordância, à medida que o Alferes desembrulhava o discurso, enquanto o capitão Mascarenhas batia, impacientemente, com o pingalim na bota, sinal evidente, bem conhecido de todos os com ele lidavam, de tensão pronta a explodir e, meu dito, meu feito, antes mesmo de o Alferes recuperar a respiração e o capitão Ornellas pudesse dizer fosse o que fosse, atirou a "pissalhada", seco que nem uma bala mas quem diabo você, nosso Alferes, julga que é? não lhe parece que está ir além da sua chinela? alguém pediu a sua opinião? se fosse necessária, tê-la-iam pedido, não acha? Com um gesto brusco, interrompeu o capitão Ornellas, que se preparava para sair em favor do acabrunhado Alferes, e prosseguiu, sarcástico, mas já que você, criou um problema, com as suas amadas circunstâncias, desembarace-se agora delas e encontre uma boa razão para o Valentim andar a pavonear-se por Bissau, ao volante de um jeep militar. E, sem consentir réplica, abandonou o gabinete, arrastando consigo o capitão Ornellas, entre perplexo e divertido.

Ficou, pois, o Alferes sozinho com suas recriminações, flagelando-se, sem dó, nem piedade quem me manda a mim ser burro, o capitão tem toda a razão, se as coisas estavam arrumadas como estavam, que importava a ti, besta-quadrada, que os gajos do Estado-maior gostassem ou não gostassem, que se fudessem, todos eles uma cambada, para quem a morte do Valentim não passa de um “fait divers” militar e um incómodo de papelada, agora és tu, meu parvalhão de serviço, quem tem que descalçar esta bota e encontrar explicação para a morte do Valentim e seres o “pau mandado” desta cáfila. Era mesmo o que me faltava!…

Profundamente abatido com a morte do amigo e agastado com a sua “estupidez”, o pobre Alferes, ficou largos momentos com a cabeça entre mãos, a lamentar-se da sua “desgraça” e, quase à beira das lágrimas, como em outras ocasiões de stress emocional e tensão nervosa, chegam-lhe, num murmúrio inconsciente, as vozes da infância, lenitivo e bênçãos, que o confortam e lhe dão ânimo, tudo o que merece ser feito, meu filho, merece ser bem feito e fazendo-o bem, estamos a colaborar na obra perfeita de Deus, vêm cálidas as exortações de suas devotas tias e o menino, em precoce traquinice, mas madrinha, se a obra de Deus é perfeita, não precisamos de lhe mexer e madrinha, em risonha admoestação, precisamos sim, a obra de Deus é perfeita, mas não é completa, Deus deixo-a inacabada para nós os mortais a podermos terminar e o menino, agora desafiador, não é nada disso, madrinha, Deus não terminou a obra por que é preguiçoso e quis descansar ao Domingo e as tias, agora, a desmancharem-se de riso, isso é um grande pecado, meu malandro, tens que te confessar ao padre Manuel e o menino, a percorrer os corredores da memória, numa fuga desesperada do tempo, até novamente acordar, sob o peso da angústia e da dor.

E, então, como se um suave milagre tombasse do Céu sobre sua cabeça, não criança de loiros caracóis, mas de cabelo à escovinha, como norma de oficial de Cavalaria, o Alferes, emergindo do fundo de si mesmo, arrasado, quase vencido, num gesto mecânico, abriu, desinteressado, o dossier esquecido sobre a secretária, que os acontecimentos do dia deixara inerte no tampo da mesa, depois de várias tentativas, logo enxotadas, do “apoucalhado” Assobio, ordenança da Companhia de Cavalaria, lhe entregar pessoalmente, como recomendara o 1ª Sargento, Chefe da Secretaria.

E, então, sem nada o fazer prever, rasgou-se no cérebro embotado do Alferes o “milagre” do entendimento, proveniente sabe-se lá de que reserva anímica ou intuição ou capricho ou mão protectora, a guiar-lhe os gestos, abriu o dossier e, dentro, o contrato da “cedência” da moradia, sede de Comando da Companhia na Tabanca que antes fora, residência e boudoir de Dona Rosalinda e campo de outras refregas que para aqui não são chamadas, onde faltava a assinatura da excelsa senhora, ora proprietária e gerente da Pensão Estrela, num bairro periférico de Bissau e que fatal fora ao Valentim, amigo de todas as horas, as boas e más, possesso da sua pulsão e cega vontade de se despedir da Guiné “à maneira”, naquele cenáculo de ejaculações, percorrendo todo o itinerário de prazer na crepitação e no fogo de uma mulatinha cabo-verdiana.

Eureka, portanto!... O Alferes sorriu intimamente. E com os papéis a abanar nas mãos, dispara, lesto e glorioso, à procura do capitão Mascarenhas. Estavam salvas as amadas circunstâncias que o Capitão Mascarenhas, azedo, imputara ao Alferes e, assim, encontrada razão, bem convincente, para o Valentim andar a pavonear-se por Bissau, ao volante de um jeep militar: o alferes Valentim, com a disponibilidade e zelo militar que sempre deu provas e, perante as ingentes tarefas indispensáveis para o regular embarque das tropas, em que o Alferes, Adjunto do Comandante da Companhia, estava profundamente implicado, assim como todo o staff da Secretaria, ofereceu-se para se deslocar à Pensão Estrela e recolher a assinatura em falta no contrato de cedência da Vivenda, sede do Comando da Companhia de Cavalaria na Tabanca, residência que fora e boudoir e palco de eróticas refregas de D. Rosalinda, que para aqui não são chamadas, e que a urgência da ordem militar de todos os civis deverem ser imediatamente evacuados não permitiu ser oportunamente assinado pelas duas partes. E nesta diligência de serviço público, o Alferes Valentim encontrou a inesperada morte, quando ao volante do jeep militar EM-69-96 em acidente de viação nos termos descritos e documentados.

E assim o subscreveram o capitão Ornellas e o capitão Mascarenhas e assim ficou a constar, em anexo aos autos, fazendo fé em juízo e fora dele, até prova em contrário. E assim urdidas as amadas circunstâncias seguiram os autos para os Serviços de Justiça do Estado-maior. E o corpo do Valentim, finalmente, depositado na morgue.

Sei, Maria Adelaide, quanto te são penosas estas minudências da narrativa. Por ti, bem sei, virávamos costas à Guiné, arrumávamos expeditamente, todas “amanuenses diligências” do embarque das tropas, deixávamos o corpo do Valentim entregue à sua sorte na floresta burocrática do Estado-maior, de que serve chorar a sua morte, se vida não lhe damos e voávamos, sem demora, nem detença, rumo a uma livraria da baixa de Lisboa, onde, num outro tempo narrado, ficaste suspensa de um livro roubado e de um beijo e de uma resposta a singela pergunta; “amas-me”?

Um pouco mais, Maria Adelaide, e prometo-te o regresso a esse universo de amor, desejo e transgressão que tanto te arrepiam os sentidos, um pouco mais, minha amiga, encerramos este capítulo de guerra e medo. Mas também de amizade e camaradagem. Que o Valentim merece um “regresso à peluda" em grande!

Manuel Veiga